Intenção mensal
ORAÇÃO PELA CRIAÇÃO PARA OS DIAS DE TODOS OS SANTOS E FIÉIS DEFUNTOS​
Reflexão Mensal
História de conversão ecológica
Ouvindo o grito da Criação
Ouvindo a canção da Criação
Entre em ação
Valores essenciais do MLS: Abraçar os ritmos lentos e rápidos

Se desejar, pode descarregar este recurso em formato PDF, clicando aqui.

Intenção mensal
Novembro 2023

Oremos pedindo para aprender como servir melhor uns aos outros e à criação, seguindo o exemplo de tantos defensores do meio ambiente que vieram antes de nós.

Elas só existem na dependência umas das outras, para se completarem mutuamente no serviço umas das outras.” (LS 86)

Ir para cima

ORAÇÃO PELA CRIAÇÃO PARA OS DIAS DE TODOS OS SANTOS E FIÉIS DEFUNTOS​

Deus de toda a Criação,
Hoje nos lembramos de toda a vida que voltou a Ti.
Lembramos a família e os amigos
que tocaram de perto as nossas vidas.
Lembramos nossas irmãs e irmãos
cujos nomes não conhecemos, mas são parte da nossa família global.
Lembramos nossas irmãs e irmãos mártires da ecologia,
que tiveram suas vidas violenta e injustamente tiradas por sua defesa da Criação.
Lembramos criaturas grandes e pequenas
que, devido à extinção causada pelo homem, não vagam mais pela terra, nem voam pelos céus ou nadam nos oceanos.
Lembramos o mundo natural, lagos e rios, florestas e campos, montanhas e vales
destruídos para o consumo humano.
Cremos que vieste para a salvação do mundo inteiro e de toda a vida que ele contém.
Cremos que acolheste na Morada Cósmica toda a Criação que morreu neste mundo terreno.
Que todos estejamos unidos no amor do Cristo Cósmico que é infinito e para sempre.
Amém.

(Source:https://drive.google.com/file/d/0B8pAZm1cjAhGQzZJeWJqQmNtTXc/view?resourcekey=0-kDa2WtYHu7yLVH4RzuOvcQ)

Ir para cima

Reflexão Mensal
​O Dia de Todos os Santos e a Criação

Frei Birushe Herménégilde OFM, Animador Laudato Si’, frade franciscano, pároco da paróquia de São Francisco de Assis em Magarama, diocese de Gitega, Burundi

O Dia de Todos os Santos é uma festa em que a Igreja Católica homenageia todos os santos e mártires da criação, direta ou indiretamente conhecidos e desconhecidos. Portanto, é a festa de todos os amigos de Deus. Aproveitamos esta ocasião para agradecer ao Criador pela sua presença na vida de tantas pessoas, santos do passado e do presente. Eles não necessariamente têm seus nomes no calendário litúrgico, mas ouviram (ouvem) a palavra de Deus, mudaram e estão mudando seus hábitos para seguir Jesus ou imaginaram (imaginam) uma forma de ser e agir de acordo com a vontade de Deus. Hoje cabe a nós ocupar o lugar deles. E a ação urgente para nós hoje é cuidar da criação. Deus quer que sejamos seus parceiros para continuar sua obra de criação. A terra é um jardim comum para todos nós. A água e o ar são dons inestimáveis, os animais e os seres humanos são maravilhas da criação. Podemos dizer com o salmista: “Ó Senhor, quão variadas são as vossas obras! Feitas, todas, com sabedoria, a terra está cheia das coisas que criastes” (Sl 103,24). Todos somos chamados a cuidar da criação e a ajudar a preservá-la (Gn 2,15; Lv 25,1-7).

São Francisco compreendeu isso bem, vendo em cada criatura a mão e a imagem do Senhor, a ponto de compor o cântico da criação “Laudato Si’”, a principal fonte da Encíclica Laudato Si’ do Papa Francisco, na qual ele nos convida a todos a cuidar da natureza, nossa casa comum. Precisamos de um bom relacionamento entre o Criador, os seres humanos e a Terra. Hoje queremos seguir o seu exemplo, tomando medidas concretas para proteger a nossa única casa comum. Precisamos nos envolver na busca de uma resposta ao grito da terra, que está sendo abusada pelo homem por causa de seus recursos. Precisamos responder aos gritos dos pobres e do meio ambiente em geral. Precisamos nos educar em economia ecológica, educação e novos estilos de vida, como diz o Papa Francisco.

Tomemos consciência da urgência do nosso compromisso com a criação. A encíclica Laudato Si’ ressoa em todo o mundo. O que está em jogo é o futuro da humanidade, que exige harmonia com a criação. Precisamos, portanto, inventar novas formas de viver, produzir e consumir. Respeitar a criação significa dar prioridade à vida e, assim, avançar no caminho da santidade a que todos somos chamados, como os santos que celebramos no Dia de Todos os Santos. Sugiro que cada um de nós plante árvores frutíferas de acordo com o nosso país e clima, para proteger o ambiente e ao mesmo tempo ter os frutos de que necessitamos para a nossa saúde.

Perguntas para reflexão
  1. Admiramos São Francisco de Assis e o consideramos o padroeiro da ecologia. Percebemos que falta água às nossas comunidades, a água nossa irmã, que desempenha um papel fundamental na nossa vida cotidiana, especialmente na nossa fé e na nossa Igreja. Pense em alguns dos momentos-chave da tradição da nossa Igreja e imagine como seria uma missa sem que se utilizasse água potável.
  2. Partindo do Evangelho da criação, percebemos que o pecado original foi um pecado ambiental porque ocorreu no meio do Jardim do Éden e envolveu a desobediência, o desrespeito ao estado de direito e à ordem que o Deus Criador deu oralmente a Adão para não comer uma determinada fruta. Embora o Papa Francisco declare que a crise climática que vivemos é o pecado dos tempos atuais, nós claramente continuamos tomando decisões imorais, como desenvolver projetos para explorar novas fontes de combustíveis fósseis (extração de petróleo e gás e mineração de carvão) que prejudicam a humanidade e a criação e nos desconectam do nosso Criador. Quais são alguns exemplos de exploração de combustíveis fósseis que ocorrem na sua comunidade ou país, e que consequências você está vendo?Se consegue relacionar as duas situações o que falta para que você sair de sua Igreja local e viver o movimento de ser uma Igreja sinodal?
Ir para cima

História de conversão ecológica
O caminho divino da conversão ecológica: uma jornada Laudato Si’
Exif_JPEG_420

Susan Mwangi, Animadora Laudato Si’, Educadora do Instituto de Transformação Social e Coordenadora de Atividades Laudato Si’ – Tangaza University College

Fico profundamente grata e alegre quando olho para trás, para minha jornada Laudato Si’, que acredito ter sido guiada e proporcionada pelo divino. Já se passaram cerca de três anos desde que encontrei a Laudato Si’ e iniciei o caminho para me tornar Animadora Laudato Si’. Essa jornada foi uma profunda realização de mim mesma e um profundo alinhamento com meus valores fundamentais. Os ensinamentos da encíclica do Papa Francisco, Laudato Si’, ecoaram profundamente no meu amor inato pela natureza, e me vi transformada em ativista climática. Vejo com admiração a paixão que agora tenho pelo cuidado da nossa casa comum. Ao concluir o curso de Animadora, fiquei em dúvida sobre a minha função, já que fiz o curso quando trabalhava num campo de refugiados. Foi a Irmã Molly, da FMM, quem me apresentou esta jornada transformadora. Quando meu contrato terminou e retornei a Nairóbi, tive o privilégio de ingressar na comunidade Laudato Si’ São Judas e conhecer pessoas com ideias semelhantes e dedicadas a cuidar da nossa casa comum. Por inspiração divina, também me juntei ao grupo de trabalho global da Universidade Laudato Si’, graças ao frade capuchinho Ben Ayodi OFM, que me apresentou a eles. Essa função me proporcionou a coordenação das atividades Laudato Si’ na universidade, promovendo diversas iniciativas dentro e fora do nosso campus.

Dentro da universidade, organizei palestras de sensibilização sobre a crise climática e me envolvi com as comunidades marginalizadas para responder ao grito da Terra. Nosso projeto de jardim sustentável na Escola Primária Endonyo Sidai, no condado de Kajiado, é uma prova do nosso impacto. Essa jornada sublinha a providência divina que orienta os nossos esforços para proteger o planeta. Meu compromisso com esta causa se fortalece a cada dia e sou profundamente grata pela oportunidade de ser guardiã da nossa casa comum. Louvado seja o Senhor por esta jornada incrível!

Ir para cima

Ouvindo o grito da Criação
Olooloitikosh, Kajiado, Quênia
Ir para cima

Ouvindo a canção da Criação​
Jardim na escola Endonyo Sidai em Kajiado
Ir para cima

Atuar
A Laudate Deum nos prepara para a COP 28

No capítulo 4 da Laudate Deum, o Papa Francisco nos dá um panorama histórico das últimas COPs. O pontífice destaca como, durante décadas, tentou-se trabalhar em acordos para abordar a questão climática, seus progressos e fracassos. Este ano, os Emirados Árabes Unidos sediarão a próxima Conferência das Partes (COP 28) entre 30 de novembro e 12 de dezembro. O país do Golfo Pérsico é um grande exportador de combustíveis fósseis. No entanto, também tem investido bastante em energias renováveis. As empresas de petróleo e gás ambicionam iniciar novos projetos no país para expandir ainda mais a produção desses combustíveis. Em preparação para a COP, convidamos você a ler os capítulos 4 e 5 da Laudate Deum para compreender melhor as perspectivas para a próxima cúpula. “Oxalá que, a intervir na COP 28, sejam estrategas capazes de pensar mais no bem comum e no futuro dos seus filhos” (LD 60).

Leia a Laudate Deum

Ir para cima

Valores essenciais do MLS: Abraçar os ritmos lentos e rápidos

Saiba mais sobre cada um dos 10 valores essenciais que fundamentam a missão e a identidade do MLS

Leia aqui a reflexão teológica

Ir para cima